As diferentes fases dos templates para WordPress

templates wordpress

Para quem está iniciando no WordPress, é normal que a pessoa tenha dificuldades na hora de escolher temas ou templates para WordPress.

Na verdade iniciantes podem ter uma dificuldade inclusive de entender o que é um template WordPress. Isso porque o conceito de template ou tema mudou ao longo dos anos, quando nos referimos ao WordPress.

Nos dias atuais, se você quer escolher um bom “tema”, provavelmente estará em busca de algo que não tem muito a ver com o conceito original de tema dos primórdios do WordPress.

Então vamos entender melhor…

Primeira fase: os temas clássicos e básicos

No início o WordPress era nada mais nada menos que uma ferramenta para escrever posts em um blog. O template servia apenas para dar uma cara a essa estrutura: cores, fontes, larguras, um detalhe aqui ou ali.

A oferta de temas respondia a uma simples demanda: os editores de blogs naquela época não queriam nada mais que dar uma cara para seu blog. Uns poderiam querer algo mais neutro ou sóbrio, outros poderiam querer algo mais vívido e colorido.

De qualquer maneira, tirando esses detalhes aqui ou ali, os templates eram, do ponto de vista lógico, essencialmente iguais, em sua maioria.

Para se ter uma ideia, os templates nessa fase não tinham mesmo uma área para menus no topo. Mesmo porque o próprio WordPress não tinha a funcionalidade de menus.

Muitos temas dessa época não se acham mais, pois com a evolução do mercado, eles acabaram sendo abandonados, mas abaixo você pode ver alguns exemplos desse tipo de template:

Segunda fase: templates personalizáveis

Conforme o WordPress começa a ganhar cada vez mais usuários, começa a ser adotado não apenas por escritores e blogueiros. Empresas e negócios começam a adotar o WP como principal ferramenta de produção de sites.

Com isso o mercado de temas começa a apresentar soluções mais sofisticadas. Os temas não eram apenas uma folha de estilos para blogs como antes.

A partir de agora contavam com layouts mais elaborados na home, além de um painel de opções que davam alguma possibilidade de personalização. Em geral, se podia alterar o conjunto de cores do tema, além de uma ou outra coisa na home, mas nada muito além.

A empresa Elegant Themes foi uma das que apareceu no mercado comercializando templates com essas características. Layouts elaborados que davam ao WordPress aplicações mais além do simples blog: portfólio fotográfico, sites de empresas e instituições, lojas,  revistas etc.

Encontravam-se alguns templates bons, bonitos e modernos, mas ainda assim eles eram bastante rígidos. Caso o usuário quisesse alterar alguma coisa na estrutura do layout, a intervenção no código era o único jeito. Pouco amigável para profissionais que não dominam códigos.

Alguns exemplos desse tipo de template, no caso fornecidos pela Elegant Themes:

Terceira fase: os usuários querem customizar o layout

Havia um problema que impedia o WordPress de ser adotado mais amplamente para trabalhos de criação de sites de uma forma mais geral, por empresas e negócios.

Ainda que a oferta de temas fosse ampla, que que os temas estivessem dando possibilidades de personalizar cores para harmonizar com a identidade visual do dono do site, os layouts eram muito rígidos.

A pessoa escolhia um template que lhe agradava de uma maneira geral, mas caso não tivesse um bom domínio de html, css e mesmo php ou javascript, poderia ficar presa ao layout por exemplo da home. Para evitar transtornos, muitas vezes se tinha que adequar o conteúdo ao layout, sem poder fazer o inverso: alterar o layout para se adequar ao conteúdo.

Nessa terceira fase aparecem ferramentas que transcendem o conceito de “tema” ou “template”. Muitos profissionais que usam o WordPress passam a usar recursos que lhes permita montar seu próprio layout, dentro de um template genérico.

Alguns exemplos de construtores que permitiam montar seu layout dentro do WordPress:

Quarta fase: construção visual

Por fim, depois de longos anos, o WordPress torna-se de fato amigável para pessoas que não trabalham com códigos. Profissionais com um perfil mais de “comunicaçõe e artes” (designers, marketeiros etc) podem usar o WordPress para produzir seus sites e páginas com mais confiança no resultado final.

Com o lançamento dos editores visuais, que muito dependem da evolução dos próprios navegadores, é possível criar e editar layouts direto na tela do site. Assim, em tempo real é possível testar as ideias.

Os construtores visuais não só liberou os usuários das intervenções em código para obter certos resultados, como também permite trabalhar sem mesmo ter que estar o tempo inteiro no painel administrativo (wp-admin).

Essa fase, que é a qual vivemos hoje, coloca o WordPress definitivamente no topo das ferramentas de webdesign.

Divi Visual Builder

 

Elementor

 

Beaver Builder

Veja também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *